Buscar
  • Minihelp for Global Mobility

GUIA: MORAR EM PORTUGAL - 2021

Atualizado: Abr 6



Como morar em Portugal? O que eu preciso fazer e como me organizar? Eu preciso de visto? Quais os documentos necessários? Como morar legalmente com minha família? Quais os custos e vantagens? Sim. Todas essas perguntas pairam sobre você e nossos clientes e elas indicam a urgência de um PLANEJAMENTO MIGRATÓRIO.


APRENDERÁ AQUI

  1. ESTRANGEIROS EM PORTUGAL: REALIDADES E NUMEROS

  2. PASSO A PASSO: PLANEJAMENTO MIGRATÓRIO


ESTRANGEIROS EM PORTUGAL: REALIDADES E NUMEROS

A adaptação fora de seu país de origem pode ser um desafio ou um maravilhoso sonho a depender de questões pessoais de cada um. Todavia, falando com um público específico como, por exemplo, brasileiros, é sempre mais agradável se adaptar a locais que falam a sua língua, têm outros migrantes na mesma situação que a sua e, sobretudo, têm muitos aspectos culturais semelhantes: comida, princípios, festas, religiosidade, hábitos familiares, feriados, etc.


Esses são os principais motivos para os brasileiros se perguntarem e planejarem como morar em Portugal e que mantém o país como atrativo já que permanece a abraçar e flexibilizar regras para acolher imigrantes de língua portuguesa.


Além disso, Portugal É O PAÍS MAIS SEGURO DA EUROPA, com custos de vida significativamente inferiores aos demais do Bloco Europeu.


Já são mais de 151.304 brasileiros com autorização de residência em Portugal, número que representa um quarto de toda a população estrangeira do país e é o maior desde 2012. Além disso, os últimos investimentos do Governo na área da Tecnologia abarca os profissionais altamente qualificados com excelentes qualidades de trabalho.


Uma forte mão de obra brasileira e especializada em Tecnologia da Informação têm mantido empresas portuguesas e europeias, dando oportunidade a uma vasta gama de profissionais que buscam melhores condições de vida e segurança.


PASSO A PASSO: PLANEJAMENTO MIGRATÓRIO


A maior questão de nossos clientes é como estruturar as ideias, investimentos, requisitos e organizar a documentação para morar na Europa.


Essa análise de quais os riscos, vantagens, custos e passo a passo é o que chamamos de PLANEJAMENTO MIGRATÓRIO.


O planejamento migratório começa exatamente com o que está fazendo nesse momento: aprendendo e pesquisando melhor sobre onde quer viver. Esse passo constitui aproximadamente 70% do trabalho!


O segundo passo é uma autoanálise relativa às condições de vida atuais: despesas, interesses, vínculos, experiências no exterior, número de membros da família que pretendem acompanhá-lo, entre outros aspectos.


A partir desse momento as coisas passam para o papel e é com essa parte que temos uma surpresa no final desse artigo!


O terceiro passo é sanar falhas na sua programação: quitar pendências, verificar despesas que devem ser liquidadas ou reservas financeiras que possam ser remanejadas, perceber as demandas familiares em relação a prazos para entender se o projeto se concretizará em seis meses, oito meses ou um ano.


O quarto passo é a aceitação: a sua vida, ainda que cômoda onde está, pode melhorar e mudar com essa decisão. As pesquisas e relatos de outros migrantes estão ao seu favor e fazem sentido com o que você deseja. Os seus custos e benefícios se equilibram e já começa a imaginar como será a nova vida em alguns meses e a se desprender do que vive hoje.


O quinto passo é aprofundar as pesquisas e organização da documentação de acordo com a autoanálise anterior e as falhas já sanadas, o que ficaria muito facilitado com ajuda de profissionais habilitados que poderiam verificar se as informações antes obtidas estariam corretas ou não e em que medida seria possível organizar o seu caminho para alcançar de uma forma mais rápida o seu sonho.




Muitas pessoas não fazem esse passo crucial e tentam aprender do zero já no país destino, tornando a experiência um pouco mais difícil, mas, não necessariamente mal sucedida.


O sexto passo é a parte favorita: fazer malas, ver que está de fato acontecendo e terminar de liquidar todas as pendências que já foram mapeadas, de organizar pontos de apoio no seu país de origem para qualquer questão que possa surgir.


Esse costuma ser um momento bem emocional no qual várias expectativas e até pensamento em desistir podem surgir. Vale o seu sonho e o peso da sua organização para manter essa decisão.



O sétimo passo é a chegada: início da adaptação e nova rotina, onde os três primeiros meses serão um misto de turismo com apreensão. Novas formas de se comunicar, flexibilidade para entender novos costumes, reorganizar o novo lar com suas novas peculiaridades, verificar demandas familiares como questões das crianças e a nova escola, fotos na parede, desencaixotar o que se precisa e se maravilhar com preços de supermercados e Ikea.


A maioria dos blogs e “agências de migração” terminam aqui a sua organização e deixam o seu planejamento migratório incompleto. Faz parte das coisas que ninguém te conta porque a assessoria já foi paga, você já chegou, já tem a sua casa e poderia seguir sozinho daí em diante.


Todavia, não podemos deixar de falar os últimos passos que garantirão a sua adaptação, permanência sólida e vida estável no seu novo local. Por isso, não se deixe romantizar pelo que foi lido até aqui ou esqueça que ainda há trabalho pela frente.


O oitavo passo é entender que esse não é o seu país de origem, por isso, a burocracia tradicional é estranha para você. O que significa essa sigla? Por quê esse atendimento não pode ser dessa forma? Essa pessoa foi grosseira ou eu não entendi o que deveria ter feito? Ainda falta mais esse documento?


É o momento onde o turismo passou, o dia a dia já é mais natural, todos os itens de casa já tem lugares e as pessoas já estão adaptadas à nova rotina, mas, saudades e incertezas batem por ter um sentimento de “ser estrangeiro”.


Nesse passo é preciso lembrar os motivos da sua decisão e entender que é uma fase natural e necessária para a adaptação de todo estrangeiro em um novo local.


O nono passo muda a vida das pessoas: é quando se entende que a pesquisa e aprendizagem não pode parar e se retifica o que faltou. É difícil falar aos migrantes que não dá para se cobrar aprender tudo sobre um local em 1-2 anos ou comparar tudo o que sabe de uma vida inteira no país de origem com o novo local que acabou de chegar.



É o momento de criar novos laços, novas memórias, novos vínculos e se deliciar com essa experiência que só se tem na infância quando se está aprendendo a andar pelo seu bairro, aprendendo qual o doce favorito da sua confeitaria de rua, descobrindo o nome do lojista que sempre sorri quando você passa. É uma fase linda de se reviver em um novo local.


O décimo e último passo é o abraço e orientação de novos migrantes: quando você já consegue identificar a sua bagagem adquirida, a sua familiaridade com o local, costumes, as suas memórias e apreço pelo dia a dia e nova rotina e sabe como lidar com a saudade que pode vir inesperadamente.


É o momento de buscar o seu planejamento inicial, lembrar porque fez essa decisão, lembrar dos erros e acertos e dar indicações aos que acabaram de chegar ou pensam em vir. Esse é o momento em que você percebe que não é mais um sonho ou um objetivo morar fora: hoje você já está em casa e não se imaginaria em outro lugar.


Com tudo o que já aprendeu até agora, queremos te dar a oportunidade de começar o seu próprio planejamento migratório e tirar esses sonhos do papel. Já sabemos que o primeiro passo foi realizado porque leu tudo até aqui e tem buscado fontes de informação confiáveis para nortear os seus planos. Por isso, queremos dar mais um passo contigo e indicar como iniciar o seu segundo passo.


Você poderá receber o nosso checklist para o Planejamento Migratório onde norteamos pontos cruciais para a sua autoanálise como, por exemplo: qual o tipo de rendimento que preciso ter, quais as despesas e vida financeira tenho no meu país de origem e teria no novo destino, entre outros aspectos pessoais para além do financeiro.


Clique aqui e receba o seu checklist! Além disso, se tiver mais questões sobre o seu planejamento migratório, consulte um profissional especializado.

23 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo