Buscar
  • Minihelp for Global Mobility

TRABALHAR E MORAR NA EUROPA: NOMADES DIGITAIS

Atualizado: Abr 1



Como um profissional de T.I. ou digital nomad pode morar legalmente em Portugal? Quais os tipos de vistos e por quanto tempo pode ficar em um país da Europa? Essa são algumas das maiores questões dos autônomos que vivem em busca de melhores condições de vida com a facilidade de poder trabalhar de onde quiser.

ACHARÁ NESSE ARTIGO: - O QUE É UM NOMADE DIGITAL - VERDADES E MITOS SOBRE TRABALHO REMOTO E MORAR NA EUROPA

- DESTINO NÓMAD: PORTUGAL

- VISTOS E DOCUMENTOS NECESSÁRIOS

O QUE É UM NÔMADE DIGITAL?

O cenário trazido pela pandemia covid-19 deu outra relevância para o home office e para as formas de prestar serviços que hoje adaptaram-se para serem, majoritariamente, de forma remota.


Contexto inovador para muitas profissões e empresas, mas, totalmente usual para os profissionais independentes e altamente qualificados que já têm por hábito trabalhar para diversas entidades diferentes, desprendidos da estrutura física de um escritório ou companhia e cujos serviços transcendem ao seu país ou nacionalidade de origem.


É um digital nómade aquele profissional capacitado a exercer os seus serviços de forma autónoma e por via remota, trabalhando por projetos e, muitas vezes, desenvolvimento tecnológico de alta qualidade e/ou consultorias na área de mídia, gestão, redes sociais e marketing.


Os “profissionais do futuro”, como muitas vezes apelidados, representam um significativo grupo de produção intelectual Altamente Qualificada, fomentando o crescimento de empresas e lucros sem serem vistos todos os dias nos corredores dos prédios comerciais. São os Engenheiros, Cientistas de Tecnologia da Informação, Programadores, Desenvolvedores de Software e outros profissionais que podem trabalhar em todos os lugares do mundo com acesso à internet, extremamente necessários na maioria das empresas.


Por essas razões a global mobility afeta à esses profissionais é grande motor de desenvolvimento e migração qualificada para regiões de baixa densidade ou pouco exploradas por buscarem melhor qualidade de vida independente da distância geográfica da entidade empregadora.



VERDADES E MITOS: TRABALHO REMOTO E MORAR NA EUROPA

A maior questão dos digital nomads gira em torno de quais as possibilidades que teriam de permanecer em determinado país europeu para além dos três meses de turismo usuais.


Isso porque, a maioria dos guias para nômades digitais têm a indicação de que os interessados só podem permanecer três meses, para fins de turismo, e transitar de forma limitada entre os países do Espaço Shengen e fora da UE.


Por isso, esse texto visa mudar o paradigma dos interessados e desmitificar algumas lendas que forçam profissionais altamente qualificados a viverem de mochilas nas costas.


Primeiramente, cumpre lembrar que na União Europeia as fronteiras do Espaço Schengen têm o mesmo regime de controle, logo, se não for nacional na U.E ou do Espaço Económico Eurpeu, antes de viajar para determinado país do grupo o estrangeiro deverá solicitar visto ainda no seu país de origem se pretende permanecer por mais de 3 meses.


Lembrando que os brasileiros têm a chamada “dispensa de visto” para o Espaço Shengen se tiverem o interesse de permanecer até noventa dias, cabendo o pedido de visto se for do interesse do viajante ficar prazo superior ou, até mesmo, prorrogar a permanência já no país europeu.

Por outro lado, saiba que se é familiar de europeu ou de nacional do Espaço Económico Europeu, também terá maiores facilidades de circulação e fixação de residência com dispensa de visto. Por isso, vale a pena verificar se teria direito a uma Nacionalidade Europeia porque ela seria útil para o acesso a qualquer outro país europeu.


Além disso, quanto à segurança, a União Europeia está em processo de implementação o Sistema Europeu de Informações e Autorização de Viagem (ETIAS). Essa plataforma foi projetada com um objetivo de fortalecer o controle de fronteiras e manter altos níveis de segurança imigratória em todo o Espaço Schengen, registrando e examinando todos os viajantes isentos de visto, inclusive os brasileiros. Saiba mais aqui.


Entenda que ainda não é obrigatório o registro no ETIAS para viajar, mas, ele será essencial a partir de 2022 onde será requerido para todos os fins de viagem com destino: Alemanha, Áustria, Bélgica, Dinamarca, Eslováquia, Eslovênia, Estônia, Espanha, Finlândia, França, Grécia, Hungria, Holanda, Itália, Letônia, Lituânia, Luxemburgo, Malta, Polônia, Portugal, República Checa, Suécia, Islândia, Liechtenstein, Noruega, Suíça, Mônaco, San Marino, Vaticano.




Quanto aos principais mitos e verdades sobre trabalhar remotamente na Europa, responderemos os três principais:


1. Há necessidade de ser europeu para trabalhar em profissões de tecnologia na Europa (MITO). Grande mito eis que várias empresas europeias já contratam, até mesmo para trabalho remoto, pessoas de todos os locais do mundo e não há a exigência da nacionalidade europeia. Portugal, por exemplo, criou até um tipo de visto específico para esses profissionais.


2. Se tiver o interesse de ficar mais de três meses no Espaço Shengen, é preciso passar um tempo no UK ou países externos e voltar (MITO). É possível, em todos os países europeus, pedir para prolongar o visto de turismo se tiver interesse em permanecer mais tempo em determinado local, devendo comprovar requisitos específicos e variáveis de país para país.


3. A Europa estimula o trabalho remoto, as cafeterias e co-workings e acesso à espaços com internet confortáveis com o fim de fomentar esse tipo de turismo e visitas. (VERDADE) São inúmeros os eventos, locais e mesmo a cultura europeia de home office “na rua”. Além disso, vale mencionar que algumas cidades do interior de Portugal, por exemplo, estão criando mecanismos específicos para os trabalhadores remotos ficarem lá por mais tempo e com contato com a boa qualidade de vida advinda dos recursos naturais do interior.



DESTINO NÓMADES: PORTUGAL

Os países escandinavos e nórdicos costuma ser os favoritos dos digital nômades por terem grande polos tecnológicos como Finlândia, Suécia, Estónia por perto e apoiarem a digitalização dos serviços e desburocratização estatal.

Todavia, as mudanças no contexto económicos desses locais e os incentivos governamentais em outros países europeus para atrair esse tipo de trabalhador têm mexido bastante com o fluxo migratório de nómades digitais.

Por isso, Portugal tem sido um dos países com exponencial crescimento de imigrantes da área do desenvolvimento tecnológico em razão de sua qualidade de vida e preços vantajosos. Fatores que transformam esse país da península ibérica em uma boa opção aos profissionais estrangeiros que podem permanecer na Europa e transitar mais facilmente.

O Plano de Transição Digital de 2021 tem propostas incríveis de investimento e captação de recursos financeiros e humanos com o fim de aumentar a entrada e interesse dos profissionais da área de tecnologia.

Além disso, algumas cidades Portuguesas já são famosas nos rankinsg da Nomad List, distinguidas pela qualidade de vida, facilidade de integração na comunidade local e, claro, segurança com um preço imbatível na Europa.

Para quem deseja ir para Portugal para trabalhar na área de tecnologia da informação, são inúmeras as empresas que estão contratando, até mesmo com início remoto, eis que o mercado interno não tem recursos suficientes para garantir a demanda. Por isso, a mão de obra brasileira (e estrangeira) é mais do que bem aceita e frequente nas grandes empresas portuguesas.


VISTOS E DOCUMENTOS NECESSÁRIOS

Primeiramente, vamos esclarecer questões iniciais quanto aos vistos cabíveis para profissionais independentes nos principais países europeus e seus requisitos principais. Porque os procedimentos de visto são similares em todos os países do Espaço Económico Europeu e buscam perceber, principalmente:

a) se o requerente têm possiblidades de subsistência no país ao qual se candidata,

b) se o requerente tem acesso ou viabilidade de seguro de saúde ou atendimento médico se necessário e, ainda;

c) se o requerente tem possiblidade de garantir o seu alojamento no local visado.


Além disso, é crucial que o passaporte seja válido, atualizado, sem rasuras ou problemas migratórios anteriores como sanções por permanência ilegal, deportações ou irregularidades.


Se tem o interesse em morar na Europa trabalhando remotamente ou em um emprego para profissional de tecnologia, entre em contato com um profissional habilitado.


Ainda teremos mais informações sobre os vistos de profissionais Altamente Qualificados e Autónomos em Portugal. Fique atento.


25 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo